Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Pesca ao corrico de profundidade: presas, zonas e períodos

{%ALT_TEXT%}
{%CAPTION%}

O corrico de alto mar é uma técnica de pesca de alto mar praticada em todo o mundo, que tem como alvo grandes predadores pelágicos e que, mesmo no Mediterrâneo, pode proporcionar grande entusiasmo aos pescadores que a adoptam com entusiasmo.

Em muitos locais do planeta, especialmente onde esta técnica é praticada em águas oceânicas, esta disciplina é frequentemente referida quando se fala de Big Game Fishing.

É o tipo de
pesca vivida
e narrada nos seus romances, pelo “Papa” Hemingway, que tanto entusiasmou e continua a entusiasmar os amantes do mar como nós, contando as suas aventuras em busca do seu grande espadim, navegando nas águas da Corrente do Golfo.

É um tipo de pesca de corrico rápida (no Mediterrâneo é praticada, em média, entre 6 e 8 nós), principalmente com iscos artificiais ou combinações de iscos artificiais e naturais (por vezes, apenas com iscos naturais montados de uma determinada forma), frequentemente praticada em águas profundas e, na maior parte das vezes, a uma distância considerável da costa.

Presas, profundidades e distâncias em relação à costa

Como em todos os pesca técnicas, mesmo na mar profundo a pesca à linha isca é largado onde se pensa que estão os peixes que procuramos, então o que nos faz escolher o batimétricoe, por conseguinte, a distância relativa da costa para a nossa ação de pesca, são precisamente as presas típicas deste tipo de pesca ao corrico.

{%ALT_TEXT%}
{%CAPTION%}

A batimetria da pesca de alto mar no Mediterrâneo varia entre 100 e 2000 metros e a velocidade média situa-se entre 6 e 8 nós.

Com o aquecimento do nosso mar, a paisagem das presas-alvo, bem como a melhor altura para as pescar, está a mudar.

O corrico de profundidade está muito ligado ao aquecimento das águas superficiais, ao fotoperíodo e, em geral, à disponibilidade de alimentos e à cadeia alimentar que se cria nas águas mais altas em determinadas alturas do ano.

De um modo geral, as melhores alturas são o final da primavera, o verão e, nos últimos anos, também se obtêm grandes resultados na primeira metade do outono.

{%ALT_TEXT%}
{%CAPTION%}

A presa emblemática do corrico de alto mar é certamente a albacora, um peixe que também vive a grandes profundidades mas que, precisamente, pode ser capturado pelo corrico de alto mar em certas épocas do ano, à superfície.

Outros peixes procurados são as rostratas, sendo a presa mais comum o peixe-agulha imperial (Tetrapturus belone). Este predador é cada vez mais frequente em muitas zonas, mas deve ser capturado com extrema contenção. Trata-se de um pelágico endémico do Mediterrâneo, parente próximo do espadim. Os congéneres, muito semelhantes ao nosso peixe-agulha imperial, mas de origem atlântica, também podem ocorrer ocasionalmente nas nossas águas, assim como há também, embora raros, casos de captura de espadim branco.

Outra tribuna muito procurada é a do peixe-espadaque, apesar de frequentar as profundezas durante o dia, um peixe que nada para as partes mais superficiais da coluna de água, especialmente à noite, em certas ocasiões e períodos é um predador que ataca as iscas de pesca ao corrico de profundidade durante o dia (é de salientar que existem abordagens específicas para a pesca ao corrico do espadarte que são praticadas à noite).

{%ALT_TEXT%}
{%CAPTION%}
{%ALT_TEXT%}
{%CAPTION%}
{%ALT_TEXT%}
{%CAPTION%}

Outro peixe muito apreciado pelos pescadores de profundidade é o atum rabilho: uma espécie que ataca frequentemente as iscas de pesca ao corrico, especialmente se se tratar de exemplares jovens (atuns de cardume que frequentam as profundezas do mar), que na maior parte do mar Tirreno têm um tamanho médio entre 15 e 40 kg (no Adriático, o tamanho médio dos atuns na pesca ao corrico de profundidade pode ser superior).
Outra presa-alvo é o doirado: as capturas de grandes exemplares desta espécie têm-se tornado cada vez mais frequentes nos últimos anos.

Provavelmente também em resultado do aquecimento do mar, o gaiado, um peixe que já era capturado em algumas zonas no passado, é muito mais frequente nas nossas águas, tendo desaparecido e regressado com alguma frequência nos últimos anos. É um peixe cosmopolita, encontrado em muitos mares temperados e quentes que, recentemente, mesmo em Itália, pode muitas vezes proporcionar lutas divertidas, especialmente se for capturado com equipamento leve.

Batimetria

{%ALT_TEXT%}
{%CAPTION%}

O batimetrias da pesca à linha em alto mar estão intimamente ligadas aos hábitos do peixe-alvo que se procura (nem todos os peixes-alvo em alto mar frequentam as mesmas zonas ao mesmo tempo), no entanto, em geral, em muitas zonas de Itália, as profundidades mais rentáveis situam-se entre 500 e 2000 m, especialmente se estivermos a falar de atum albacora, gaiado ou rabilho. Mas a situação é diferente se estivermos à procura do peixe-agulha imperial, de facto em muitas áreas estes peixes também frequentam batimetrias entre os 70 e os 500 m, especialmente no verão e no início do outono.

Este é especialmente o caso se estas batimetrias se encontrarem na borda de desfiladeiros submersos, ou perto de subidas rápidas de 500 m até 100. Nestes locais específicos, em determinadas alturas, podemos também encontrar os outros peixes-alvo do mar alto.

Assim, antes de decidir rigidamente sobre as zonas de pesca com base na batimetria, é importante compreender qual é a melhor áreas se for caso disso, tendo também em conta a zona em que se está a pescar, os hábitos dos peixes nessa zona do mar, e tendo também em conta a tempo do ano.

Pesca de corrico em alto mar: as melhores zonas

De um modo geral, para conhecer em termos gerais as melhores zonas para pescar, é importante estudar as cartas náuticas, ou seja, a cartografia da zona que se pretende explorar, prestando muita atenção às depressões batimétricas caracterizadas pelos declives mais acentuados.

{%ALT_TEXT%}
{%CAPTION%}

De facto, são os saltos bruscos no fundo do mar, ou seja, as descidas abruptas, os cardumes que se elevam a muitas centenas de metros, os desfiladeiros submersos, que podem tornar uma zona particularmente rentável. Isto acontece porque as fortes correntes vindas do mar alto, uma vez que colidem com um súbito afloramento do fundo do mar, apenas empurram as águas mais profundas e ricas em nutrientes para a superfície (um fenómeno chamado afloramento). Assim, estas águas ricas em fitoplâncton e zooplâncton, ao chegarem às zonas mais altas da coluna de água, desencadeiam uma importante cadeia alimentar. A sardinha, a anchova, a cavala, o peixe-voador e muitas outras espécies (também estágios juvenis de predadores maiores), sendo plantofágicas, ou seja, peixes que se alimentam principalmente de zooplâncton, catalisam nestas zonas, atraindo assim para aqui predadores pelágicos que se alimentam destes pequenos peixes.

A cadeia alimentar que é desencadeada atrai para estas zonas todos os peixes que são o alvo da vossa viagem de pesca, pelo que é nestas zonas do mar que praticarão o corrico de profundidade.

Esta disciplina, para ser praticada no seu melhor, deve seguir algumas regras importantes, ligadas ao tipo de isco, ao número de canas colocadas na água e à sua montagem, bem como ao próprio local de pesca. Aspectos muito importantes que discutiremos em artigos futuros, também aqui no Yachtingnews Fishing.

Facebook
Twitter
X
Pinterest
LinkedIn
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Language switcher

Browse categories
boating-news-gif_animated_eng